7 - Praia da Almagreira

Município de Peniche

Como chegar: 39°22'46.1"N 9°18'52.6"W

Sabia que o nome desta praia significa barro avermelhado?

 

GEOLOGIA

Nas arribas coloridas a Norte do Baleal, encontramos camadas arenosas e argilosas depositadas por grandes rios, há cerca de 150 milhões de anos (Jurássico Superior). As espessas camadas de arenitos alaranjados resultam do preenchimento dos canais desses rios, e as argilas acinzentadas as suas planícies de inundação.

Os abundantes pedaços negros de troncos incarbonizados que aqui encontramos testemunham a riqueza vegetal da região no Jurássico. Nas margens alagadiças destes rios viveram também várias espécies de dinossauros, cujos vestígios fossilizados têm sido encontrados nestas arribas ao longo dos anos. 

 

BIOLOGIA

Nas rochas junto ao mar, é possível encontrar a Estrela-do-Mar-Espinhosa-Comum (Marthasterias glacialis) e, mais junto, às arribas a Lagartixa-do-Mato-Comum (Psammodromus algirus). Já se olharmos para o mar, podemos ter a sorte de avistar o Golfinho-Comum (Delphinus delphis).

Nas arribas também é possível identificar o Goivinho-da-Praia (Malcolmia littorea) e a Campana-da-Praia (Limbarda crithmoides), ambas espécies autóctones em Portugal, que por isso devem ser preservadas.



CULTURA

Os nomes dos lugares têm muitas vezes relação com aspetos da paisagem ou das rochas. A designação da Praia da Almagreira deriva de “almagre”, palavra de origem árabe que significa terras avermelhadas, usadas na cerâmica ou para colorir paredes. Este local é também chamado de “Pedras Ruivas”, devido à coloração dos arenitos.

Mais a Sul, a designação de Praia das Pedras Muitas também mostra a importância que as populações locais deram à presença e às tonalidades intensas das rochas destas arribas.