6 - Praia Pico da Mota

Município de Peniche

Como chegar: 39°23'14"N9°17'49"W

Sabia que por aqui já passaram grandes rios?

 

GEOLOGIA

Quem visita este local facilmente se impressiona com a cor das arribas. O seu padrão às riscas alaranjadas, em várias direções, destaca-se num fundo branco acinzentado. Estas riscas resultam da oxidação de ferro (vulgarmente chamado de ferrugem) que existe nestas rochas, com mais de 100 milhões de anos (Cretácico Inferior).

Estas rochas têm sedimentos de vários tamanhos, desde muito finos a muito grosseiros. Alguns chegam a ter o tamanho de uma bola de futebol. Foram trazidos para aqui por grandes rios, que nasciam a vários quilómetros a Este e tinham a sua foz a Oeste, para lá das Berlengas.

 

BIOLOGIA

Por vezes, é visível nesta praia conchas Argonauta argo, sendo Peniche a zona de ocorrência mais a norte desta espécie. Pensa-se que coma sobretudo moluscos da coluna de água, e é alimento a muitos predadores.

Este animal do grupo dos polvos possui uma concha calcária peculiar, fina e enrolada. A da fêmea é branca e atinge cerca de 20 cm. Já a do macho é mais escura e chega aos 4 cm. Os juvenis não têm concha. A concha da fêmea é maior para proteger os ovos, podendo ter mais de mil de cada vez.

 

CULTURA

Nas imediações desta praia existem muitos campos agrícolas. Os ventos marinhos empurram gotículas de água salgada para o interior do continente e vão impregnando os solos com sal. Solos com sal são maus para a produção agrícola, pois as plantas não sobrevivem.

Os muros de canas que ladeiam os campos não servem só para a sua delimitação. Estes servem de barreira ao vento com as gotículas com sal, sendo por isso mantidos pelos agricultores locais.