10 - Papôa

Município de Peniche

Como chegar: 39°22'23.84"N9°22'37.75"W

Sabia que aqui existiu um vulcão e que nestas rochas naufragou um navio de guerra espanhol?

 

GEOLOGIA

No caminho para o ilhéu da Papôa, observam-se camadas de rochas calcárias esbranquiçadas, do Jurássico inferior. Logo após as rochas tornam-se alaranjadas, muito diferentes - são rochas vulcânicas basálticas, únicas nesta região. Estas rochas de cor cinzenta-esverdeada (alaranjada por oxidação) contêm abundantes pedaços de outras rochas, originando o que se designa por “brecha vulcânica”. Esses pedaços foram arrancados no longo trajeto das lavas, desde as profundezas da Terra até à superfície. Entre elas podemos ver granitos rosados idênticos aos das Berlengas e calcários esbranquiçados idênticos aos de Peniche ou das Cesaredas. 

A presença desta brecha é o único vestígio de que aqui existiu um antigo vulcão, que lançou estes materiais ao seu redor. Pelas características destas rochas, crê-se que este vulcanismo seja contemporâneo do vulcanismo da região de Lisboa, com cerca de 72 milhões de anos. 

 

BIOLOGIA

Nestas rochas escarpadas junto ao mar, é frequente a presença de aves de médio porte que aqui procuram alimentar-se de pequenos peixes e de crustáceos. Para além das habituais gaivotas comuns (de-patas-amarelas, Larus michahellis) e mediterrânicas (ou de-cabeça-preta, Ichthyaetus melanocephalus), também poderemos ver por aqui o Corvo Marinho-Comum (Phalacrocorax carbo), o Alcatraz (Morus bassanus), o Moleiro-Pequeno (Stercorarius parasiticus) ou a Galheta (Phalacrocorax aristotelis). 

 

CULTURA

Na saída da EN114 para a Papôa, encontra-se a escultura de um navio enterrado no solo. Este memorial assinala o naufrágio do navio de guerra espanhol San Pedro de Alcântara que em 1786 se afundou junto às arribas da Papôa. Este navio, proveniente do Perú e com destino a Cádiz, trazia 400 pessoas, incluindo prisioneiros incas. Vinha carregado de cobre (600 ton.), prata (153 ton.) e ouro (4 ton.) das minas peruanas, além de um uma importante coleção científica dos botânicos Ruiz e Pavon. A embarcação acabou por ser descoberta por Jean-Yves Blot em 1977 e é um dos naufrágios mais bem estudados da costa portuguesa. 

 

Veja o vídeo - MINUTO NO aspiring GEOPARQUE OESTE_O Vulcão da Papôa & MINUTO NO aspiring GEOPARQUE OESTE_As Rochas Vulcânicas da Papôa